Cancro do pulmão: Sabe identificar os sinais de alarme?

É o tipo de cancro com maior incidência – por ano, são detetados 1,6 milhões de casos – e o que mais mata em todo o mundo. Em Portugal, refere a Fundação Champalimaud, mata cerca de 3500 pessoas por ano, sendo a maior causa de morte oncológica nos homens e a 4ª nas mulheres.

A poluição atmosférica, devido à combustão produzida pelos veículos a motor ou aos gases emitidos por máquinas industriais, e à exposição a substâncias como o gás radão e o amianto podem estar na origem desta patologia, mas o principal fator de risco é o tabagismo,85% a 90% dos casos de cancro do pulmão ocorrem em fumadores. A exposição passiva ao fumo do cigarro ambiente também é um fator de risco.

Como em muitas formas de cancro, a existência de uma predisposição genética facilita a ocorrência de alterações celulares que conduzem à doença. Pessoas com tuberculose, silicose ou Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) também são mais suscetíveis.

Sinais e sintomas

A deteção precoce do cancro do pulmão é dificultada pelo facto de, muitas vezes, os sinais e sintomas demorarem anos a desenvolver-se e só se manifestarem num estadio avançado da doença. Por outro lado, estão longe de ser inequívocos, sendo necessário despistar outras causas, como tumores benignos.

Segundo a Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) e a Lung Cancer Org, podem ser sinais e sintomas de cancro do pulmão:

  • Tosse, sobretudo se for persistente e piorar com o tempo.
  • Dor constante no peito, ombro ou costas.
  • Tosse acompanhada de sangue.
  • Alterações da cor ou volume da expetoração.
  • Falta de ar, asma ou rouquidão.
  • Respiração sonora (estridor).
  • Problemas recorrentes, como pneumonia ou bronquite.

Quando a doença se dissemina pode dar lugar a sintomas mais gerais:

  • Inchaço do pescoço e rosto.
  • Perda de apetite ou de peso sem causa aparente.
  • Fadiga.
  • Fraqueza extrema e perda muscular.
  • Dores de cabeça, nos ossos ou articulações.
  • Fraturas ósseas não relacionadas com acidente.
  • Sintomas neurológicos (marcha instável, perda de memória).
  • Hemorragia, coágulos sanguíneos.

Antecipar o diagnóstico

Os sinais e sintomas, sublinha a LPCC, muitas vezes não estão relacionados com cancro, mas é essencial procurar o médico perante quaisquer alterações de saúde relevantes. O diagnóstico precoce é essencial para maximizar as possibilidades de tratamento bem sucedidas do cancro do pulmão.

A pesquisa das causas dos sintomas passa pela avaliação da história clínica individual e da história familiar de cancro, bem como pelo exame físico do doente. Além disso, existem exames auxiliares de diagnóstico.

Fumadores alerta

Por serem um grupo de risco, os fumadores e ex-fumadores devem estar especialmente atentos e fazer consultas periódicas que permitam identificar lesões de forma precoce.

A deteção precoce do cancro do pulmão permite reduzir a sua mortalidade em 20%, pelo que é fulcral estar atento a eventuais sinais e sintomas e ir ao seu médico regularmente, sobretudo no caso de fumadores e ex-fumadores. Estar atento aos sintomas e ter uma atitude preventiva, adotando um estilo de vida saudável é a melhor forma de evitar o cancro: pratique exercício, tenha uma alimentação equilibrada, limite o consumo de bebidas alcoólicas e acima de tudo, não fume.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!