Cancro e exercício físico

Cancro e estilo de vida

Atualmente sabe-se que um estilo de vida saudável é fundamental para a prevenção de doenças do foro cardiovascular, metabólico, respiratório, imunitário, entre outros. Muitas neoplasias são também explicadas por fatores ambientais que vão desde o sedentarismo à alimentação incorreta. Cerca de 35% das situações de neoplasia  é atribuível a fatores dietéticos e 30% ao tabagismo.

Prevenir através do exercício físico

O exercício físico não evita nem cura o cancro, mas talvez possa prevenir algumas formas de tumores. Investigadores consideram que o exercício pode prevenir certos tipos de cancro, como o cancro do cólon, cancro da mama e cancro da próstata (e outros como o cancro do útero). Existem estudos que referem que o exercício reduz em 50% o risco de cancro do cólon .

Exercício físico e cancro

Nos homens ativos, o exercício diminui a exposição à testosterona, o que poderá contribuir para a redução da probabilidade de desenvolver cancro da próstata. Nos estudos realizados com atletas demonstrou-se que as concentrações de testosterona estão diminuídas nos atletas treinados. A realização repetida de exercícios pode diminuir os níveis sanguíneos de testosterona. No entanto, de acordo com dados provenientes de pesquisas realizadas, é prudente estimular os doentes com cancro a realizar exercício físico moderado diariamente, evitando exercícios intensos.

Precauções e benefícios

A prática de exercício físico por parte de doentes com cancro deve ser equacionada, devido aos seus inúmeros benefícios, desde que planeada e orientada por especialistas do exercício devidamente certificados, atendendo às diretrizes aconselhadas pelas organizações de referência.
Os benefícios do exercício físico podem ser observados do ponto de vista psicológico e fisiológico. Está comprovado que reduz a ansiedade e depressão, aumenta o vigor, competência física, autoestima e autocontrolo. As pessoas que praticam uma atividade física regular relatam uma melhoria da qualidade de vida. Em termos de efeitos fisiológicos, destacam-se a melhoria da capacidade funcional, aumento da força muscular e flexibilidade, melhoria da composição corporal (mais músculo e menos gordura corporal), aumento dos níveis de hemoglobina e da atividade das células imunitárias, tal como redução da fadiga, náuseas, vómitos e diarreias, tão frequentes em doentes com cancro.

Saiba mais…

Segundo um estudo realizado, a realização de 3 horas de caminhada por semana resulta em menos 17% de casos de cancro do cólon (Colditz et al, 1997).

Doentes com cancro e exercício físico

O American College of Sports Medicine recomenda, para doentes com cancro, as seguintes diretrizes:

  • Praticar exercício do tipo aeróbio como marcha ou bicicleta (no caso de doentes com cancro de próstata, a bicicleta pode-se mostrar inadequada devido à agressividade dos selins na região pélvica inferior).
  • Frequência de 3 a 5 vezes por semana (ou todos os dias da semana).
  • Duração de 20 a 30 min ou intermitente (somando segmentos de menores durações ao longo do dia).
  • Progredir primeiro na duração e só depois na intensidade.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!