Dormir bem é fundamental

Hoje em dia vive-se em constante rodopio. O tempo não chega para o que a atualidade oferece e a verdade é que muitas vezes ouvimos dizer que o dia deveria ter mais de 24 horas. Passo a passo e numa espiral de trabalho, obrigações e tecnologia, entre outros estímulos, vamo-nos esquecendo de algo fundamental – dormir.

O sono está intrinsecamente ligado à vida. Não há nada mais natural do que dormir. Obrigatório para a sobrevivência, o sono é regenerador e reparador. Possibilita o equilíbrio e tem uma importância extrema na componente cognitiva de cada pessoa. Para pensarmos, trabalharmos, agirmos ou termos capacidade para decidir, precisamos de um regime de descanso saudável.

É durante o sono que algumas das hormonas mais essenciais ao equilíbrio do metabolismo são produzidas. O nosso organismo funciona de forma muito organizada e rege-se por ciclos específicos. Os distúrbios do sono ou a falta de cuidado com as horas de descanso fazem com que este processo se altere dando origem a consequências menos positivas, tanto a nível emocional como físico.

Falhas na higiene do sono

A falta de rigor com as horas de descanso é um dos grandes motivos para as pessoas contraírem doenças associadas ao sono. “As pessoas comem mal, praticam pouco exercício e trabalham horas a mais, têm horários caóticos e não respeitam o ritmo biológico.

Antigamente, o ciclo utilizado regia-se por uma regra muito sábia: a regra 8+8+8. Isto significa que devíamos dormir 8 horas, trabalhar 8 horas e ter também 8 horas de lazer e de tempo para nós.

Com a evolução da sociedade, o trabalho banalizou-se de uma forma exponencial. Hoje em dia trabalha-se entre 12 a 14 horas por dia, sem que percebamos o quão prejudicial é isso para o nosso equilíbrio do sono”, adverte Teresa Paiva, neurologista e especialista nas questões relacionadas com o sono.

A higiene do sono

Numa sociedade cuja cultura nos transporta, cada vez mais, para uma ausência de limite em tudo o que se faz, é importante perceber quais são as premissas fundamentais que contribuem para uma boa higienização do sono. Segundo Teresa Paiva existem quatro vértices fundamentais para compreendermos uma boa higiene do sono: o exercício físico, a alimentação, a componente cognitiva e a componente emocional. “É muito frequente as pessoas descurarem o descanso e os hábitos de vida saudável. Há, hoje em dia, um convencimento generalizado de que não temos limites, de que tudo nos é permitido e o nosso corpo acaba por aguentar. É uma premissa errada. Não aguentamos tudo e todos temos o nosso ponto de rutura.” Antes do aparecimento da luz elétrica, o limite aparecia com o cair da noite.

Culturalmente, o homem levantava-se com o nascer do sol e recolhia quando este se punha. O ciclo da natureza era também o ciclo humano. Com o aparecimento da energia foi possível ultrapassar o limite da noite, permitindo que se ficasse acordado até mais tarde. “A evolução da sociedade fez com que os limites fossem mudando de paradigma. As pessoas deixaram de valorizar o descanso, a alimentação e o próprio exercício físico. Estes três fatores têm uma influência exponencial no sono. Andamos todos presos a um conjunto de influências culturais e tecnológicas que nos distraem e nos roubam horas de descanso”, salienta a especialista.

Porque não dormimos?

São inúmeros os fatores que contribuem para os maus hábitos do sono. No entanto, é possível identificá-los e definir um determinado acompanhamento mediante cada caso.

Questões cognitivas e emocionais

“Ninguém, com a cabeça cheia, consegue ter hábitos regulares de sono”, diz Teresa Paiva. A especialista afirma que o sono já vem educado naturalmente. “Cabe-nos não o deseducar. Temos de entender o sono como um sistema locomotor. Podemos parti-lo e avariá-lo, mas temos de ter consciência que algo que teve de ser colado ou soldado nunca mais volta a ser a mesma coisa. Andar constantemente a contrariar o ritmo biológico poderá trazer consequências graves. Uma pessoa na casa dos 40 anos que durma entre 5 a 6 horas por noite, quanto chegar aos 70 anos não irá conseguir dormir mais do que 3, 4 horas”, alerta Teresa Paiva, referindo ainda que

“com as crianças passa-se o mesmo. Hoje em dia os pais deitam-nas muito tarde, deixam-nas adormecer em centros comerciais ou restaurantes, o que é altamente prejudicial para o ritmo natural do sono. Normalmente as insónias nos adultos apresentam causas relacionadas com a infância”.

5 conselhos para dormir bem…

  1. É necessário respeitar o ritmo biológico e ser fiel ao que o corpo pede. A natureza é sábia.
  2. Não se deve praticar exercício físico à noite. É algo prejudicial ao sono e à saúde.
  3. É importante fazer refeições regulares durante o dia e não jantar depois das 22h. Comer muito à noite perturba o sono.
  4. Os fármacos usados para facilitar o sono têm o grave problema de criar habituação. Evite-os.
  5. Se não consegue adormecer, saia da cama, beba água ou um copo de leite morno e procure esvaziar a cabeça de todos os pensamentos.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!