Frieiras, uma reação ao inverno

A pele é a barreira protetora contra as agressões externas, mas nem sempre cumpre a sua missão com sucesso. Fenómeno inflamatório comum nos meses mais frios do ano, o aparecimento de frieiras é associado a uma sensação de profundo desconforto. As frieiras podem manifestar-se em qualquer idade, com graus de intensidade variáveis e de forma recorrente. Aprenda a identificar este problema e saiba como tratá-lo.

O que é?

A frieira é uma inflamação cutânea dos pequenos vasos sanguíneos devido à exposição ao frio. Apesar se não ser considerada grave, provoca bastante desconforto e, por vezes, dor intensa.

O que está na origem deste problema?

A causa exata desta reação está ainda por determinar. Estima-se que possa dever-se a uma reação desadequada do organismo ao frio, contração dos vasos e à posterior recuperação da temperatura da pele – ao aquecer novamente, a expansão dos pequenos vasos é mais rápida, o que leva ao congestionamento da circulação e inflamação nos tecidos envolventes.

Que zonas do corpo são mais afetadas?

As frieiras aparecem nas partes do corpo expostas ao frio e humidade ou nas áreas mais propensas a sofrer de circulação sanguínea insuficiente como os pés e as mãos. Podem ainda verificar-se noutras zonas como o nariz, orelhas, joelhos ou cotovelos, embora seja menos frequente.

Quais são os principais fatores de risco?

A exposição ao frio e uma circulação sanguínea insuficiente são os principais elementos na origem das frieiras entanto, sendo, por isso, comuns em mulheres, crianças e idosos, sobretudo devido à propensão para problemas circulatórios. Outros fatores podem incrementar o risco de vir a desenvolver esta inflamação na pele, como por exemplo:

  • Além dos antecedentes familiares, alguns problemas de saúde podem explicar o risco acrescido de frieiras, como a má circulação (que deixa a pele mais sensível às alterações da temperatura). Quem sofre de lúpus, anemia ou da doença de Raynaud (uma patologia que afeta o fluxo sanguíneo nas extremidades e que atinge sobretudo mulheres jovens) é também mais suscetível.
  • Usar peças de roupa e sapatos muito justos ou que não protejam do frio e da humidade, uma vez que dificultam a circulação sanguínea e expõem a pele à agressão externa.
  •  O facto de ter o peso abaixo do recomendado para a estatura pode ainda aumentar o risco de frieiras.
  • O aparecimento de frieiras coincide com os meses frios e húmidos de inverno.

Que sintomas caracterizam este problema?

Nas zonas atingidas a pele apresenta vermelhidão, inchaço e, por vezes, úlceras e alterações na coloração da pele. Estas manifestações cutâneas podem surgir associadas a prurido, sensação de queimadura e/ou dor intensa.

É possível prevenir?

No que respeita as frieiras a melhor estratégia é, de facto, a prevenção:

  • Reduza a exposição da pele ao frio e humidade, através de vestuário que garanta a manutenção da temperatura corporal adequada e que cubra as zonas mais expostas;
  • Opte por calçado que mantenha e pele seca e quente.
  • Não fume;
  • Praticar exercício físico é também benéfico.

Que medidas podem ser tomadas para minimizar o desconforto?

Existem vários cuidados simples que podem ser implementados no quotidiano para aliviar o mal-estar provocado pelas frieiras e até contribuir para a recuperação.

  • Manter a pele afetada pelas frieiras seca e quente (usar peças de roupa em lã; fazer uma massagem com movimentos suaves, mas sem coçar nem esfregar);
  • Evitar a exposição ao frio e outras agressões externas (uso continuado de água e detergentes);
  • Não colocar a pele em contacto direto com fontes de calor (aquecedor, lareira)
  •  Aplicar sempre que necessário uma loção hidratante para aliviar o prurido.
  • Nos casos mais graves, deve colocar uma ligadura sobre as zonas afetadas, sem apertar muito, e assegurar-se de que a pele está limpa para evitar infeções.

Quando deve procurar um médico?

Na maioria dos casos, as frieiras desaparecem espontaneamente após duas a três semanas e os cuidados básicos acima mencionados.

Quando os sintomas se agravam, nomeadamente se ocorrem noutra estação do ano, surgem de forma recorrente, se se prolongam no tempo sem melhorias, se provocam dor muito intensa ou se há suspeita de infeção (formação de bolhas, úlceras na pele), deve procurar ajuda médica. Quem sofre de diabetes ou de problemas circulatórios deverá ter atenção redobrada.

Que tratamentos existem?

Para além dos cuidados gerais, mencionados anteriormente,  o tratamento das frieiras pode incluir a toma de fármacos com ação vasodilatadora. Este tipo de medida aplica-se por indicação médica e especialmente nos casos mais graves e quando os cuidados diários não corrigem os sintomas.

As frieiras são um problema comum que surge devido à reação anormal pele ao frio mas que, com as precauções certas, podem ser prevenidas e minimizadas. É essencial, no inverno, proteger a pele das agressões externas.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!