A azoospermia aparece quando existe um distúrbio grave na produção de sémen nos testículos ou quando existe um processo obstrutivo no sistema de drenagem dos espermatozóides (ausência dos vasos deferentes ou vasectomia).

A Azoospermia constitui o problema de sub-fertilidade masculina que mais preocupa os homens.

A Azoospermia pode ser de origem:

  • Obstrutiva – Gerada por processos obstrutivos congénitos ou adquiridos.
  • Não obstrutiva- Gerada pela falência da produção testicular de espermatozóides, situação que pode ser causada por problemas intrínsecos  aos testículos ou pela diminuição da produção central das hormonas que estimulam o funcionamento testicular.

 

Causas de Azoospermia

A Azoospermia pode ser causada por:

  • Problemas endócrinos (hormonais).
  • Anomalia cromossómica (Síndrome de Klinefelter).
  • Problemas estruturais (obstrução dos canais que trasnportam o sémen).
  • Varicocelo.
  • Reações auto-imunes (presença de anticorpos abti-espermatezóides).
  • Trauma originados por pancada ou acidentes.
  • Infeções como uretrite, epidimite, prostatite, inflamação do escroto ou testículo (causadas por vírus ou bactérias).
  • Problemas hepáticos.
  • Insuficiência renal.
  • Tratamentos como quimioterapia ou radioterapia.
  • Exposição a metais pesados (chumbo, cádmio ou arsénio).
  • Ejaculação retrógada – por vezes, o sémen segue uma direcção contrária à habitual, ou seja, desloca-se para a bexiga em vez de se deslocar para a extremidade do pénis.

 

Sintomas de Azoospermia

O sintoma da Azoospermia é a infertilidade masculina (impossibilidade de fecundação do óvulo feminino, do que resulta a impossibilidade de ocorrer gravidez).

 

Diagnóstico e Tratamento de Azoospermia

O diagnóstico da azoospermia é realizado através de um espermograma (exame laboratorial).

Dos homens que têm Azoospermia diagnosticada, 30% não sofrem realmente do problema, algumas vezes os espermatezóides apenas aparecem no exame após centrifugação do sémen. Por vezes é necessário fazer mais de uma colheita para um diagnóstico definitivo.

O clomifeno, um fármaco que induz a ovulação na mulher, pode ser utilizado para tentar aumentar a quantidade de esperma no homem. Contudo, não há grandes evidências relativamente à mais-valia da sua utilização.

Nos homens com um esperma normal, mas de escassa quantidade:

  • Inseminação artificial melhora ligeiramente os índices de gravidez, uma vez que emprega a primeira porção do sémen ejaculado (que contém a maior concentração de esperma).
  • Seleção de esperma (escolhe apenas o esperma mais activo) é um pouco mais eficaz do que a anterior.
  • Fertilização in vitro e a transferência do gâmeta (através de um tubo para dentro da trompa de Falópio)  – é eficaz no tratamento de certos tipos de esterilidade masculina.
azoospermina

Ilustração do trajecto percorrido pelo espermatezóide no sistema reprodutor masculino

 

Nos homens que não produzem esperma:

A gravidez depende da fertilização da mulher com esperma de um dador. Actualmente já não se utiliza esperma fresco para realizar a fertilização, mas sim amostras de esperma congelado, de forma a eliminar o perigo subjacente às doenças sexualmente transmissíveis. Este procedimento dificulta, contudo, a gravidez.

 

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Utilização no glossário

Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!