A hipertensão arterial é uma doença crónica que afeta quase 25% da população adulta mundial, ou seja, um em cada quatro indivíduos tem pressão arterial elevada. Em Portugal, a hipertensão atinge 42,1% dos indivíduos adultos, sendo que apenas 11,2% destes tem o problema controlado.
A pressão arterial designa a força da pressão com que o coração bombeia o sangue, de forma a que este transporte o oxigénio e os nutrientes a todas as células do organismo.
A pressão arterial é, assim, determinada pela quantidade de sangue que o coração bombeia e pela resistência que as suas artérias oferecem ao fluxo sanguíneo. Quanto mais sangue o coração bombear e quanto mais estreitas forem as suas artérias, mais alta será a sua Pressão Arterial.
A força ou a pressão com que o sangue é bombeado pelo coração não é estanque, variando de momento para momento, de acordo com as atividades que o indivíduo realiza, de acordo com os momentos do dia e de acordo com a idade que se tem. É portanto normal que os valores variem de cada vez que sejam medidos.
A pressão arterial oscila entre um valor máximo (quando o coração bombeia o sangue) e um valor mínimo (quando o coração relaxa entre batimentos).

O valor máximo indica os milímetros de mercúrio presentes na pressão sistólica e o valor mínimo os milímetros de mercúrio na pressão diastólica.

Nos adultos, a hipertensão é uma doença caracterizada por valores de pressão arterial superiores a 140/90 mmHg (hoje é consensual um valor normal de pressão arterial até aos 129/84 mmHg – e um valor normal-alto até 139/89 mmHg).As pessoas com diabetes, história de AVC (acidente vascular cerebral), enfarte do miocárdio, insuficiência renal ou perda de proteínas na urina (proteinúria), devem ter uma pressão arterial mais baixa que 130/80 mmHg.
Uma hipertensão continuada vai provocar rigidez nas artérias com consequente formação de placas de gordura no seu interior (aterosclerose), provocando dificuldade à passagem do sangue. Esta circunstância vai originar angina de peito, ou até mesmo o enfarte do miocárdio (a parte muscular do coração).

Quando as artérias se rompem ou não conduzem o sangue até às células do cérebro, surgem as hemorragias e as tromboses cerebrais (AIT- acidente isquémico transitório; AVC- acidente vascular cerebral). Contudo, este efeito pode fazer-se sentir em todas as artérias do corpo, como nos rins, olhos (retina), artéria aorta (aneurismas) e nos membros inferiores (isquémia).

 

Causas de Hipertensão

A Hipertensão Arterial pode ser:
“Primária” ou “Essencial”: sem causa específica
Secundária em cerca de 10% dos casos, encontra-se associada a uma patologia específica:

  • Doenças dos rins ou das artérias renais.
  • Doenças endócrinas (da glândula suprarrenal ou da tiroide).
  • Utilização de alguns fármacos.

A Hipertensão arterial secundária tem de ter um tratamento especial e por vezes tem cura.

 

Fatores de Risco de Hipertensão

Os fatores de risco para a hipertensão podem ser divididos em:

Modificáveis (possíveis de alterar):

  • Ingerir demasiado sal e gorduras.
  • Ingerir poucas frutas e vegetais.
  • Excesso de peso/obesidade.
  • Ingerir álcool em excesso.
  • Fumar.

Não modificáveis (impossíveis de alterar):

  • Predisposição hereditária.
  • Idade avançada.
  • Ser de raça negra.
  • Pertencer ao sexo masculino.

 

Sintomas de Hipertensão

hipertensão

O diagnóstico da hipertensão é feito a partir da medição da tensão arterial.

Na maioria dos casos, a hipertensão não produz sintomas pelo que o doente pode não perceber que tem este problema. Contudo, quando a pressão arterial sobe para valores significativos, pode causar sintomas como:

  • Tonturas.
  • Visão enevoada.
  • Dor de cabeça.
  • Confusão.
  • Sonolência.
  • Falta de ar.
  • Náuseas e vómitos.

 

Tratamento de Hipertensão

O diagnóstico da hipertensão é realizado a partir da medição pressão arterial, sendo aconselhável fazer esta medição de forma regular e registar os valores.

Uma única medição acima dos 140/90 mmHG indica que a pressão está alta naquele momento, mas não é suficiente para diagnosticar Hipertensão. Para este diagnóstico, é normalmente necessário repetir a medição em diferentes circunstâncias e durante determinado período de tempo.

A hipertensão pode ser diagnosticada através de um MAPA (monitorização ambulatória da pressão arterial), que serve para registar a pressão arterial ao longo de 24 horas, e assim determinar se o indivíduo é ou não hipertenso.

Para manter a pressão arterial dentro dos valores normais, é importante adotar um estilo de vida saudável e, caso estas medidas não permitam que os valores voltem ao normal, iniciar medicação.

Alguns hábitos que ajudam a prevenir a hipertensão :

  1. Ingerir alimentos saudáveis – frutas, vegetais, grãos inteiros (pão rico em cereais, cereais, arroz e massas: 6-8 porções diárias) e leite e derivados lácteos pobres em gordura) e diminuir a ingestão de gorduras, sobretudo as saturadas (gorduras origem animal -carne e pele das aves- leite e derivados- manteiga, iogurte e nata).
  2. Diminuir a ingestão de sal – o sal é composto por cloreto de sódio, que aumenta a pressão arterial. Apesar de 2.4 g/dia de sódio serem o limite superior de ingestão de um indivíduo saudável, um hipertenso só deve consumir 1.5 g/dia para verificar um efeito drástico na sua tensão arterial.
  3. Manter um peso saudável
  4. Aumentar a atividade física – 30 minutos de atividade física diária pode ajudar a descer a pressão arterial e a manter o seu peso sob controlo.
  5. Limitar o consumo de álcool – mesmo nas pessoas saudáveis o álcool eleva os valores da pressão arterial.
  6. Não fumar – o tabaco lesa as paredes dos vasos sanguíneos e acelera o processo de rigidez das artérias.
  7. Vigiar regularmente a pressão arterial.
  8. Procurar ter uma vida o menos agitada  possível.

 

Artigo revisto e validado pela médica Lídia Roque Ramos
Serviço de gastroenterologia do Hospital Garcia da Orta.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!