O hipertiroidismo é uma perturbação que acontece quando a glândula tiroide está hiperativa e tem excesso de produção hormonal.

A tiroide é uma glândula de secreção interna, situada na porção anterior e inferior da laringe e que produz as hormonas tiroideias – triiodotironina (T3) e tiroxina (T4), que são essenciais à vida e que exercem vários efeitos a nível do metabolismo, crescimento e desenvolvimento do organismo. Estas hormonas contribuem, entre outras funções, para a regulação da temperatura corporal, frequência cardíaca, pressão arterial, funcionamento intestinal, controlo de peso e de estados de humor.

 

Causas do Hipertiroidismo

O hipertiroidismo pode dever-se a causas distintas, entre as quais se encontram as reações imunológicas a doenças graves. Os doentes com tiroidite – uma inflamação da glândula tiroide – sofrem habitualmente uma fase de hipertiroidismo. Contudo, a inflamação pode lesar a glândula provocando, inicialmente, uma atividade superior à normal, o que pode ser o prelúdio de uma atividade deficiente transitória ou permanente (hipotiroidismo).

Os mecanismos normais que controlam a glândula podem ser bloqueados por adenomas (zonas de tecido anómalo que crescem dentro da tiroide), dando-se assim uma produção de hormonas tiroideias em grandes quantidades.

 

Sintomas do Hipertiroidismo

No hipertiroidismo, em geral, as funções do corpo aceleram-se:

  • O coração bate mais depressa e pode desenvolver um ritmo anómalo, e o indivíduo afetado pode chegar a sentir os batimentos do seu próprio coração (palpitações).
  • Também é provável que a pressão arterial aumente.
  • Sensação de calor, com sudorese (transpiração excessiva). A pele torna-se húmida.
  • Tremores.
  • Cansaço e fraqueza.
  • Aumento de atividade física e de apetite.
  • Perda de peso.
  • Insónia.
  • Aumento do número de dejeções diárias.
  • Alterações oculares – edema em torno dos olhos, aumento do lacrimejo, irritação e fotofobia (sensibilidade à luz), olhar fixo. Os sintomas oculares desaparecem quando a secreção da hormona tiroideia é controlada.

 

Formas de hipertiroidismo

O hipertiroidismo pode adotar diversas formas que incluem a doença de Graves, o Bócio Tóxico Nodular ou o Hipertiroidismo Secundário.

Bócio Tóxico Difuso (Doença de Graves) – Resulta da estimulação excessiva da tiroide, que passa a produzir um excesso de hormonas. A tiroide aumenta muito de tamanho provocando uma tumefação no pescoço (bócio).

Olho saliente (exoftalmia), devido a tireotoxicose. O globo ocular é empurrado para a frente, provocando um olhar característico.

As pessoas que sofrem desta doença também podem ter os olhos salientes – exoltalmia – devido a uma substância que se acumula na órbita atrás dos globos oculares  e, menos frequentemente, zonas de pele edemaciadas nas pernas. O olhar torna-se fixo e há dificuldade ou impossibilidade de mexer os olhos e coordenar os movimentos, o que provoca visão dupla. As pálpebras não se fecham por completo expondo os olhos a lesões, devido a partículas estranhas e à secura.

Estes sintomas podem ser indícios do hipertiroidismo, podendo aparecer anos antes da doença se manifestar. Os sintomas oculares podem inclusive manifestar-se ou agravar-se depois do tratamento e controlo da secreção excessiva da hormona tiroideia.

 

Bócio Tóxico Nodular – No bócio tóxico nodular, um ou mais nódulos na tiroide produzem uma quantidade excessiva de hormona tiroideia – tumores benignos hiperfuncionantes da tiroide – que se associam aos olhos salientes e aos problemas cutâneos da doença de graves.

Hipertiroidismo secundário – Uma causa pouco frequente do hipertiroidismo pode ser um tumor hipofisário que segregue demasiada hormona estimulante da tiroide, a qual por sua vez estimula a hiperprodução de hormonas tiroideias. Pode haver também uma resistência à hormona tiroideia, para além de outras causas menos frequentes.

Tempestade Tiroideia – Hiperatividade súbita e extrema da glândula tiroide. Compreende febre, astenia extrema e perda da força muscular, inquietação, oscilações dos estados de espírito, confusão, alterações da consciência (inclusive coma) e um aumento do fígado, com icterícia moderada. A tempestade tiroideia exige um tratamento imediato. Uma sobrecarga grave do coração pode provocar batimentos cardíacos irregulares (arritmia) e, por conseguinte, um estado de choque ou morte.

A tempestade tiroideia é em geral provocada por um hipertiroidismo que não recebeu tratamento ou que foi tratado inadequadamente, podendo ser desencadeada por uma infeção, traumatismo, intervenção cirúrgica, diabetes mal controlada, medo, gravidez ou parto, interrupção da administração de medicamentos para a tiroide ou outras formas de stress. É raro esta perturbação aparecer nas crianças.

 

Tratamento do Hipertiroidismo

O tratamento do hipertiroidismo pode requerer tratamento farmacológico, excisão cirúrgica da glândula tiroide ou o seu tratamento com iodo radioativo (uma grande quantidade de iodo diminui a quantidade de hormonas que a glândula produz e impede a libertação dos excedentes da hormona tiroideia). O tratamento com iodo é particularmente útil quando é preciso controlar o hipertiroidismo com rapidez, como seria o caso de uma tempestade tiroideia ou antes de uma cirurgia de urgência. O iodo radioativo também destrói a glândula tiroide. Contudo, esta terapêutica pode conduzir a um hipofuncionamento glandular.

A cirurgia é uma opção sobretudo em pacientes jovens com hipertiroidismo e em doentes que tenham um bócio volumoso. Após a cirurgia o paciente pode ficar com um certo grau de hipotiroidismo, necessidade de tomar hormona tiroideia para o compensar.

 

Hipotiroidismo

O hipotiroidismo é uma afeção em que a glândula tiroide apresenta um funcionamento anómalo e produz muito pouca quantidade de hormona tiroideia . O hipotiroidismo muito grave denomina-se mixedema.

 

Causas do Hipotiroidismo

A causa mais frequente de hipotiroidismo é a tiroidite de Hashimoto em que a glândula tiroide aumenta de volume, sendo que o hipotiroidismo aparece, anos mais tarde, devido à destruição gradual das zonas funcionais da glândula.

O hipotiroidismo também pode dever-se a um defeito congénito da glândula tiroideia, ou a uma doença autoimune, na qual o sistema imunitário do próprio organismo ataca a glândula tiroideia.

A segunda causa mais frequente de hipotiroidismo é o tratamento do hipertiroidismo, quer seja através do iodo radioativo, quer da cirurgia.

Nos países em vias de desenvolvimento, a causa mais comum de desenvolvimento é a carência crónica de iodo na dieta, o que produz aumento do tamanho da glândula, reduzindo o seu rendimento (bócio hipotiroideo). Existem, contudo, formas mais raras de hipofuncionamento da glândula tiroide (anomalia enzimática de origem hereditária; funcionamento inadequado do hipotálamo e hipófise, que não produzem hormona em quantidade suficiente para a estimulação da tiroide).

 

Sintomas do Hipotiroidismo

A insuficiência tiroideia provoca uma decadência geral das funções do organismo. Os sintomas do hipotiroidismo são subtis e graduais e podem ser confundidos com uma depressão.

  • Perda de expressão ao nível da face.
  • Voz rouca e dicção lenta.
  • Pálpebras descaídas.
  • Edema dos olhos e da face.
  • Olhos salientes.
  • Aumento de peso.
  • Obstipação.
  • Intolerância ao frio.
  • Cabelo fino, seco e quebradiço.
  • Pele áspera, grossa, seca e escamosa.
  • Palmas das mãos e plantas dos pés alaranjadas (carotenemia).
  • Esquecimento, confusão mental e demência.

Se não for tratado, o hipotiroidismo pode causar anemia, uma descida da temperatura corporal e insuficiência cardíaca. Esta situação pode agravar-se e aparecer confusão, estupor ou coma (coma mixedematoso), uma complicação mortal em que a respiração se torna lenta, o doente tem convulsões e a corrente sanguínea cerebral diminui. O coma mixedematoso pode ser desencadeado pela exposição ao frio ou por uma infeção, um traumatismo e medicamentos como sedativos e tranquilizantes, que inibem o funcionamento cerebral.

 

Diagnóstico do Hipotiroidismo

O diagnóstico é realizado de acordo com a observação clínica do estado do doente e da realização de análises laboratoriais que determinam os níveis de hormonas tiroideias no sangue.

O hipotiroidismo congénito é uma das doenças rastreadas através do “Teste do Pezinho”.

O tratamento do hipotiroidismo faz-se, regra geral, através da administração da hormona tiroideia sintética ou dessecada (que se obtém através das glândulas da tiroide de animais).

Em situações urgentes, como o coma mixedematoso, pode ser administrada hormona tiroideia por via endovenosa.

Artigo revisto e validado pela especialista em Medicina Geral e Familiar Isabel Braizinha.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!