A Infeção do Trato Urinário (ITU) é um quadro infecioso que pode ocorrer em qualquer parte do sistema urinário (rins, bexiga e vias urinárias). Em circunstâncias normais, a urina da bexiga é estéril, não registando presença de qualquer bactéria nem de nenhum outro organismo infecioso. A uretra (canal que transporta a urina desde a bexiga à vagina ou pénis) não detém, de igual forma e em circunstâncias normais, organismos infeciosos (ou são demasiado escassos para poderem causar uma infeção).

Contudo, qualquer parte das vias urinárias pode ser alvo de agressões de microorganismos e infetar. Estas infeções classificam-se, em geral, em infeções das vias urinárias inferiores ou superiores – as inferiores referem-se às infeções da uretra ou da bexiga e as superiores às dos rins ou dos ureteres.

Os microrganismos que provocam a infeção penetram nas vias urinárias por duas vias: pela extremidade inferior das vias urinárias – a abertura na ponta do pénis no homem ou a abertura da uretra na mulher – ou através da circulação sanguínea (o que acontece de forma muito menos frequente).

As infeções das vias urinárias podem ser causadas por bactérias, vírus, fungos ou uma variedade de parasitas. Mais de 85% das infecções das vias urinárias são provocadas por bactérias provenientes do intestino ou da vagina. As principais causadoras de infeção do aparelho urinário são as bactérias Escherichiae coli (Colibacilo), as Klebsielae e os Proteus, todas elas componentes da flora intestinal e muitas vezes presentes no meio vaginal.

A anatomia feminina favorece a entrada de bactérias por via vaginal, mas o sistema imunitário consegue habitualmente combatê-las. Uma falha no sistema de defesa do organismo permite que a bactéria se multiplique dentro do trato urinário, dando início a uma infeção. Entre os 20 e os 50 anos, as infeções das vias urinárias são aproximadamente 50 vezes mais frequentes nas mulheres do que nos homens.

 

Tipos de infeção

Existem três tipos possíveis de Infeção do Trato Urinário, correspondendo à sua localização anatómica:

1. Pielonefrite (Rins).

2. Cistite (Bexiga).

3. Uretrite (uretra).

 

Factores de risco associados às ITU:

A via da infeção mais frequente é a via ascendente. As bactérias existentes no reto, ânus e vagina, penetram ascendentemente no aparelho urinário através da uretra, apesar da normal existência de mecanismos de defesa de vária ordem, sobretudo da uretra e da bexiga. As infeções urinárias são mais frequentes em pessoas cuja uretra é menor, uma vez que o microorganismo acede com maior facilidade e rapidez à bexiga. As características intrínsecas ao aparelho reprodutor feminino favorecem, assim, o desenvolvimento de ITU nas mulheres, sendo bastante frequentes durante a gravidez. Assim, os principais fatores de risco são:

  • Ter vida sexualmente ativa e usar contracetivos com espermicidas.
  • A diminuição do estrogénio que acontece na menopausa modifica o trato urinário e a flora da vagina, deixando-o mais vulnerável à ação de bactérias.
  • A litíase (pedra nos Rins) e a hiperplasia da próstata constituem igualmente um factor de risco, uma vez que promovem o bloqueio do trato urinário.
  • Uma depressão do sistema imunitário favorece a entrada de vírus e bactérias no organismo, favorecendo as infeções.
  • Indivíduos com drenagens vesicais apresentam, de igual forma, risco aumentado de infeção.

 

Sintomas

Os sintomas da infeção urinária variam de acordo com o tipo de infeção em causa. Os mais comuns são: ardor durante a micção, micção frequente, urina de cor escura, sangue na urina e urina com odor intenso, podendo existir dor pélvica e rectal e eventualmente febre.

Dor para urinar (disúria) – constitui o sintoma de infecção urinária mais comum. A disúria é um termo que engloba diferentes queixas durante a micção, tais como dor, ardor, sensação de queimadura, incómodo e sensação de peso na bexiga. A disúria é um sintoma muito comum na cistite e na uretrite, podendo também ocorrer na pielonefrite.

Presença de sangue na urina (hematúria) – é comum na cistite, mas também pode ocorrer na pielonefrite ou na uretrite. Assim como a disúria, a presença de sangue surge pela irritação da bexiga e da uretra.

Febre – normalmente, só surge nos casos de pielonefrite. A cistite e a uretrite normalmente não causam febre. Na pielonefrite a febre pode ser elevada, sendo frequentemente acompanhada de calafrios. A febre alta é uns dos sinais que diferencia a pielonefrite dos outros tipos de infecção urinária.

Micção frequente – a micção é frequente mas o volume de urina a cada micção é pequeno. Pode haver sensação de esvaziamento incompleto da bexiga provocado pela irritação da bexiga.

Corrimento uretral – a saída de pus pela uretra é um sinal típico das uretrites (frequentemente causada por doenças sexualmente transmissíveis). Na uretrite pode haver sangue no sémen, incómodo nos órgãos genitais e dor durante o acto sexual.  A cistite e a pielonefrite não provocam corrimento uretral.

Náuseas e vómitos – são sintomas comuns na pielonefrite e aparecem juntamente com a febre. A cistite provoca habitualmente mal-estar, mas não costuma provocar vómitos. A perda do apetite também é frequente na pielonefrite.

Dor lombar – é geralmente mais intensa de um lado e é típica da pielonefrite. A cistite também pode causar leve dor lombar.

Urina com odor intenso – pode ser um sinal de bactérias na urina. Contudo pode apenas significar que a urina se encontra concentrada (o que acontece com frequência quando se bebe pouca água).

Desorientação e alterações do estado de consciência – a pielonefrite é um caso potencialmente grave, que pode levar a um quadro de infeção generalizada. Se não reconhecida e tratada a tempo, o paciente pode começar a apresentar sinais neurológicos, como desorientação, prostração e até redução do nível de consciência. Os idosos são quem mais apresenta esse tipo de quadro durante uma infeção do trato urinário.

Perda involuntária de urina – além da vontade constante de urinar, o paciente com infeção da bexiga pode ter urgência urinária (o paciente não consegue segurar a urina), um sintoma frequente nas crianças e nos idosos.

 

Principais sintomas da cistite:

  • Ardor, dor ou desconforto para urinar.
  • Sangue na urina.
  • Vontade constante de urinar, mesmo com a bexiga vazia (ou quase vazia).
  • Sensação de peso na bexiga.
  • Urgência urinária.

Principais sintomas da pielonefrite:

  • Febre alta.
  • Calafrios.
  • Náuseas e vómitos.
  • Dor lombar.
  • Prostração.
  • Desorientação (mais comum nos idosos).
  • Sangue na urina.

Principais sintomas da uretrite:

  • Corrimento purulento pela uretra.
  • Ardor ao urinar.
  • Sangue no sémen.
  • Incómodo nos órgãos genitais.
  • Dor durante actividade sexual.
  • Sangue na urina.

 

Diagnóstico e tratamento

A urocultura (exame à urina) é o método mais utilizado para estabelecer o diagnóstico de infeção do trato urinário, permitindo conhecer a bactéria causadora da infeção e o antibiótico adequado para a debelar.

Sistema urinário que mostra a infeção de um rim (pielonefrite), com zonas purulentas visíveia a amarelo.

Sistema urinário que mostra a infeção de um rim (pielonefrite), com zonas purulentas visíveia a amarelo.

Podem ser necessários exames complementares (análise ao sangue e ecografia renal e vesical) de forma a identificar possíveis anormalidades no trato urinário ou eventuais sequelas da infeção. Além da toma criteriosa do antibiótico, o paciente deve beber bastante água de forma a ajudar à expulsão do microrganismo causador da infeção.

Uma infeção urinária não tratada pode dar origem a uma infeção generalizada (septicémia), que coloca o paciente em risco de vida. As crianças e os idosos são mais susceptíveis a esta infeção, assim como os doentes  imunodeprimidos. As infeções urinárias não tratadas podem provocar danos irreversíveis nos rins. Este tipo de infeção exige especial cuidado na gravidez uma vez que pode dar origem a bebés com baixo peso e prematuridade.

 

 

 

 

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!