Inflamação do labirinto, a estrutura interna do ouvido que pode provocar vertigem e problemas de audição. Pode manifestar-se de forma aguda, na sequência de uma infeção viral por exemplo, ou crónica, afetando a qualidade de vida da pessoa e saúde do ouvido, colocando em risco a capacidade auditiva podendo até provocar surdez.

Causas de Labirintite

Apesar de não ser possível, em muitos casos, identificar a causa exata da labirintite, esta patologia deve-se, com frequência, a uma infeção por vírus ou bactérias, após uma constipação ou otite. Existem ainda outros problemas de saúde associados, como por exemplo:

labirintite

Anatomia do interior do ouvido onde se desenvolve a labirintite.

  • Lesões na cabeça ou ouvido (traumatismo crânio-encefálico).
  • Alergias.
  • Gripe.
  • Sarampo.
  • Meningite.
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas.
  • Medicamentos (em doses elevadas).
  • Tumores ou problemas de irrigação sanguínea na zona do labirinto (casos mais raros).

 

 

 

Sintomas de Labirintite

  • Perda de equilíbrio.
  • Vertigem – sensação de que o corpo ou o meio ambiente se encontram a girar enquanto permanecemos imóveis.
  • Náuseas e vómitos.
  • Dor de cabeça.
  • Zumbido no ouvido.
  • Perda auditiva (parcial ou total).
  • Movimentos espasmódicos dos olhos.

Tratamento de Labirintite

A análise dos sintomas e a realização de análises, exames auditivos ou exames imagiológicos permitem diagnosticar esta patologia e despistar a existência de outros problemas mais grave como o AVC (Acidente Vascular Cerebral). A abordagem terapêutica varia consoante a causa e pode visar:

    • Alívio de sintomas – toma de fármacos para atenuar o mal-estar (por exemplo enjoos), medida aplicada sobretudo na labirintite viral, uma vez que a infeção tende a desaparecer por si.
    • Combate à infeção – Eliminar as bactérias na origem da patologia através da toma de antibióticos.
    • Reparação de lesões – intervenção cirúrgica para corrigir danos ou remover eventuais secreções no interior do ouvido (para evitar o agravamento da infeção).

 

Artigo revisto e validado pela médica Lídia Roque Ramos (serviço de gastrenterologia do Hospital Garcia da Orta).
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!