Inflamação do pericárdio – membrana em forma de bolsa que envolve o coração – que afeta o funcionamento do coração. Esta membrana é composta por duas camadas, separadas por um líquido. Em caso de pericardite pode verificar-se a a irritação da membrana, fricção entre as duas camadas e acumulação de fluidos. É uma doença que pode surgir em qualquer idade, embora seja mais comum no sexo masculino entre os 20 e os 50 anos. Pode dividir-se em dois tipos:

Pericardite aguda – inflamação súbita do pericárdio que se caracteriza por dor intensa e se prolonga por algumas semanas.

Pericardite crónica – processo inflamatório gradual que pode originar o desenvolvimento de tecido fibroso no pericárdio (pericardite crónica constritiva) ou a acumulação de líquido no mesmo (pericardite crónica com derrame). Pode manifestar-se de forma contínua ou intermitente.

 

Causas de Pericardite

A origem da pericardite, sobretudo crónica, é muitas vezes desconhecida. Especialistas atribuem esta patologia a várias situações, tanto patológicas como respostas do organismo a problemas cardíacos, tratamentos ou cirurgias prévias. Regra geral, as infeções virais são a causa mais frequente de pericardite aguda, enquanto a pericardite crónica surge associada a doenças autoimunes.

Muitos casos de pericardite devem-se a:

pericardite

Coração humano e pericárdio.

 

  • Infeções virais (infeções respiratórias são uma causa comum).
  • Patologias como o cancro, tuberculose, SIDA, insuficiência renal).
  • Problemas cardíacos (enfarte do miocárdio) ou cirurgia cardíaca anterior.
  • Doenças inflamatórias sistémicas como o lúpus eritematoso sistémico e a artrite reumatoide.
  • Lesões provocadas por acidentes ou tratamentos (radioterapia após cancro da mama, por exemplo).

 

 

Sintomas e Sinais de Pericardite

Um dos principais sintomas de pericardite é a dor no peito que pode ser muito intensa e penetrante, caso se trate de uma pericardite aguda, pode irradiar para a zona do ombro e braço esquerdo e piorar na posição deitado, ao respirar profundamente ou ao tossir.

Os restantes sinais e sintomas associados a esta patologia são:

  • Falta de ar ou dificuldade em respirar.
  • Palpitações.
  • Febre.
  • Sensação geral de fraqueza, fadiga ou náuseas.
  • Tosse.
  • Edema abdominal ou nos membros inferiores.

 

Diagnóstico e Tratamento de Pericardite

Auscultação, radiografia ao tórax, ecocardiograma e análises ao sangue são os exames que permitem diagnosticar esta patologia, tanto confirmar a sua existência como detetar, em alguns casos, o que está na sua origem.

A maioria dos casos de pericardite é ligeiro e resolve-se por si. Em situações mais graves ou crónicas pode recorrer-se a medicamentos ou até cirurgia. O tratamento depende da doença associada (quando esta é identificada) e pode incluir:

  • Fármacos – para combater a infeção viral na sua origem e minimizar os sintomas de dor. Uso de antibióticos caso se trate de uma infeção bacteriana.
  • Cirurgia – para proceder à drenagem do líquido acumulado na membrana ou à remoção total do pericárdio, em caso de tumor ou pericardite crónica.
  • Diálise – caso a patologia na sua origem seja a insuficiência renal.

 

Artigo revisto e validado pela especialista em Medicina Geral e Familiar Isabel Braizinha.
Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!