Infeção viral extremamente contagiosa que se caracteriza pelo aparecimento de erupções cutâneas. Transmite-se facilmente através do ar e uma vez infetada a pessoa fica imunizada para o resto da vida.

Esta doença tem consequências particularmente graves para as mulheres grávidas. Contrair o vírus durante a gestação, sobretudo nas primeiras 16 semanas, pode colocar em perigo a vida do feto. Para além do risco de aborto e de morte do bebé no parto, pode provocar deficiências congénitas graves. Estes casos, em que o vírus passa a barreira protetora da placenta e afeta o bebé, designam-se por rubéola congénita.

Rubéola

Partícula de vírus da Rubéola visualizada por microscópio eletrónico de transmissão

Para evitar estas situações está indicada a toma da vacina da rubéola a todas as mulheres na idade adulta que não tenham recebido em criança, nem tenham contraído a infeção nessa fase. A vacina não é administrada durante a gravidez, pelo que deve ser tomada previamente (no mínimo três meses antes) por quem pretende engravidar.

Integrada no Plano Nacional de Vacinação, a vacina da rubéola tem contribuído para a diminuição da sua expressão em Portugal, passando de doença característica da infância a infeção eliminada na primeira década deste século. Apesar de praticamente erradicada dos países europeus, noutros continentes é uma patologia frequente e de fácil contágio.

 

Causas de Rubéola

Doença infecciosa provocada por um vírus de RNA da família Togavírus. Transmite-se de forma rápida pelas gotículas de saliva dispersas no ar, libertadas por uma pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar. O contacto com uma superfície contaminada pelas mãos (que depois tocam na boca ou olhos) também permite o contágio, uma vez que as partículas se mantêm ativas durante várias horas.

O período de contágio inicia-se uma semana antes do aparecimento da primeira erupção cutânea e pode prolongar-se por duas semanas após o seu desaparecimento. No caso de rubéola congénita a criança infetada pode manter-se contagiosa durante vários meses após o nascimento.

As crianças e pessoas com o sistema imunitário fragilizado estão mais vulneráveis a esta doença e sobretudo às suas manifestações clínicas mais graves, como a encefalite (fenómeno mais raro).

 

Sintomas da Rubéola

Numa fase inicial, antes da erupção cutânea, a patologia pode ser quase assintomática e afetar apenas os gânglios. A sintomatologia desta doença caracteriza-se por:

  • Mal-estar geral.
  • Tosse.
  • Febre.
  • Corrimento nasal.
  • Gânglios inflamados (na zona do pescoço e nuca).
  • Vermelhidão e erupções cutâneas (pescoço, tronco e membros).
  • Olhos e garganta inflamados.
  • Dores articulares.
  • Otite média.

 

Tratamento da Rubéola

O diagnóstico da rubéola pode ser obtido através de análise ao sangue. É uma doença que se manifesta de forma ligeira no organismo, não requerendo tratamento específico além do alívio dos sintomas. Caso se verifique uma infeção do ouvido (otite) pode ser necessária a toma de antibióticos.

Esta patologia pode originar infeções nas vias respiratórias,  mais raramente nos ouvidos, mas a sua expressão mais rara e mais grave é a encefalite que  não tem tratamento e pode ser mortal.

A prevenção passa pela vacinação que é eficaz e está contemplada no Plano Nacional de Vacinação

 

Artigo revisto e validado pela especialista em Medicina Geral e Familiar Maria Isabel Braizinha.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!