A Síndrome de Morte Súbita do Lactente (SMSL) é a principal causa de morte infantil no primeiro ano de vida, ocorrendo durante o sono em bebés aparentemente saudáveis.

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP), cerca de 95% dos casos verificam-se antes dos seis meses de idade, sendo a probabilidade maior entre o 2ª e o 4º mês de vida.

Os bebés do sexo masculino são mais acometidos pela síndrome de morte súbita do que os bebés do século feminino.

A Sociedade Portuguesa de Pediatria adianta que, em Portugal, a síndrome de morte súbita continua a ser, no que respeita ao primeiro ano de vida, a primeira causa de morte na infância (95%), sendo que a quase totalidade dos casos ocorre até aos seis meses.

 

Síndrome de Morte Subita

Molécula de serotonina, cuja produção alterada pode estar envolvida na Síndrome de Morte Súbita do Lactente

Causas e Fatores de risco da Síndrome de Morte Súbita

As causas da SMSL são ainda desconhecidas. Contudo há factores que se encontram associado ao fenómeno, como sendo:

  • Dormir em posição de decúbito ventral (de barriga para baixo) – sobretudo até ao 4º mês do bebé,uma vez que:
  • a) A respiração do próprio ar expirado, condicionando uma elevada concentração de anidrido carbónico no ar inspirado.
  • b) A pressão exercida na face do bebé dificulta a respiração.
  • c) A inibição dos reflexos laríngeos e o sobreaquecimento (por diminuição de perda de calor pelo rosto e pela cabeça).
  • Grande prematuridade.
  • Hábitos tabágicos da mãe durante a gestação.
  • Fumo passivo do bebé.
  • Eventuais doenças metabólicas.
  • Alteração na produção de serotonina (um neurotrasmissor que regula o sono).
  • Quartos sobreaquecidos.
  • Excesso de agasalhos.
  • Partilha da cama com outras pessoas ou animais (sobretudo em bebés dos 0 aos 3 meses).
  • Presença de objetos na cama (bonecos, cobertores, almofadas), sobretudo em bebés dos 4 aos 12 meses.
  • Infeções respiratórias em bebés pré-termo.
  • História familiar de Síndrome de Morte súbita.

A justificação avançada para o fator de risco predominante nos bebés mais pequenos ser a partilha de cama, é a de que estes bebés têm uma maior dificuldade ou até mesmo impossibilidade de mudar de posição, caso o corpo de outra pessoa (ou de um animal) se coloque de tal forma próximo ou sobre o bebé que acabe por eventualmente vir a obstruir-lhe as vias respiratórias, provocando-lhe asfixia.

No que se refere aos bebés com mais idade, o perigo reside sobretudo no facto de existirem objetos na área de sono, uma vez que, ao rebolarem para cima dos objetos, estes podem acabar por os asfixiar.

Prevenção da Síndrome de Morte Súbita

A única forma de reduzir os índices de morte súbita no lactente é através da prevenção.

Pais, familiares e cuidadores, devem seguir as regras de sono que salvaguardam os bebés, como:

– Colocação do bebé na posição lateral ou em decúbito dorsal.

– Não exposição do bebé a fumo de tabaco.

– Não sobreaquecer demasiado o ambiente do quarto de dormir.

– Não agasalhar excessivamente o bebé.

– Não partilhar a zona de sono.

– Libertar a área de sono do bebé de quaisquer objetos. (usar um saco de dormir ao invés de cobertores).

 

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.
Precisa de ajuda? Nós
ligamos
grátis!