Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Avaliações ambientais

Avaliações ambientais

Com os nossos serviços e técnicos especializados, ajudamo-lo a cumprir este objetivo.

Ruído Ocupacional

Pode existir risco de trauma auditivo para níveis de Exposição Diária ao Ruído superiores a 80 dB(A). Isto significa que, a partir deste valor, o trabalhador corre o risco de ver a sua capacidade auditiva diminuída.
Com o objetivo de medir e caracterizar os níveis de ruido nos postos de trabalho, bem como avaliar o risco de exposição para os trabalhadores e propor possíveis medidas corretivas e/ou preventivas, realizamos a Avaliação dos Níveis de Ruído, de acordo com a metodologia definida no Decreto-Lei 182/2006 de 6 de setembro.

Iluminância

A intensidade de luz deve ser adequada ao tipo de tarefa a realizar.
Níveis de iluminação excessivos são desaconselhados, uma vez que podem provocar encandeamento, reflexos incómodos, sombras muito carregadas ou contrastes excessivos. Por outro lado, níveis de iluminação insuficientes implicam um esforço excessivo, que pode resultar em fadiga visual.
Tendo como objetivo medir e caracterizar os níveis de iluminação nos locais de trabalho, bem como avaliar o risco para os trabalhadores e propor possíveis medidas corretivas e/ou preventivas, realizamos a Avaliação da Iluminância nos locais de trabalho, baseada no referencial ISO 8995:2002 e EN 12464-1:2011, relativa aos níveis de iluminação dos locais de trabalho em espaços interiores.

Ambiente Térmico

As atividades exercidas pelo ser humano são fortemente condicionadas pelo ambiente físico e químico que o rodeia que, em determinadas situações de efeito cumulativo, podem provocar danos no organismo.
O desconforto térmico pode afetar o comportamento humano a vários níveis, afetando a qualidade de vida dos colaboradores. Consequentemente pode originar um mau relacionamento pessoal e hierárquico, e absentismo, resultando em redução dos níveis de produtividade.
Com o objetivo de medir e caracterizar as condições de ambiente térmico no interior das instalações, bem como avaliar o risco de exposição para os trabalhadores e propor possíveis medidas corretivas e/ou preventivas, realizamos a Avaliação das Condições Térmicas, tendo como referência os requisitos legais, Decreto-Lei 243/86 de 20 de agosto e a Portaria 53/71 de 3 de fevereiro alterada pela Portaria 702/80 de 22 de setembro, e normativos, ISO 7730:2005 – Térmicos Moderados: Determinação dos índices PMV e PPD e especificações das condições de conforto térmico, e ISO 7243:1989 – Ambientes Quentes: Determinação do stresse térmico por calor no posto de trabalho, baseada no índice WBGT.

Qualidade do Ar Interior

Termos como “Qualidade do Ar Interior” ou “Síndrome do Edifício Doente” são bastante frequentes nos nossos dias. Com efeito, a exposição a diversos poluentes nos locais de trabalho é cada vez mais frequente. Esta presença deve-se sobretudo aos materiais de construção, aos sistemas AVAC e sua deficiente manutenção, aos próprios ocupantes e às deficientes condições de arejamento dos espaços interiores. Uma má qualidade do ar interior dos locais de trabalho tem efeitos na saúde dos trabalhadores, nomeadamente ao nível do sistema respiratório, podendo mesmo originar doenças crónicas.
Recorrendo ao equipamento e metodologia de amostragem apropriados, realizamos a Auditoria da Qualidade do Ar Interior. A análise da conformidade dos resultados relativos aos poluentes físico-químicos e microbiológicos é efetuada com base nas condições de referência legais.

Agentes Químicos e Biológicos

Os agentes biológicos estão presentes em diversas atividades. A exposição a agentes biológicos pode causar três tipos de doenças: alergias, infeções, e intoxicações ou envenenamento.
Também os produtos químicos são utilizados em diversas atividades. Estes, são considerados perigosos quando apresentam riscos para o homem ou para o ambiente, devido às suas características físico-químicas, toxicológicas e/ou ecotoxicológicas.
A avaliação dos riscos de exposição aos agentes químicos e biológicos constitui, pois, uma etapa de extrema relevância para a definição e implementação das medidas adequadas ao controlo dos riscos de exposição. Através de metodologias específicas, e tendo como referência os requisitos legais e normativos aplicáveis a esta matéria, realizamos a Avaliação da Exposição a Agentes Químicos e/ou Biológicos, decorrente quer das atividades, quer dos próprios locais de trabalho.