AdvanceCare | Vaginose

Vaginose

A vaginose bacteriana (vaginose Gardnerella) é uma infeção genital causada por bactérias, principalmente pela Gardnerella Vaginallis mas também por Petoestreptococcus e Micoplasma hominis.

A vaginose não é tecnicamente considerada uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), mas a bactéria pode ser transmitida sexualmente. Sendo mais comum em mulheres sexualmente ativas, caso não seja tratada pode aumentar o risco de contrair outras doenças sexualmente transmissíveis, bem como infeções no útero .

A Vaginose é a causa mais comum de corrimento vaginal e a segunda causa de candidíase. Um excesso de crescimento bacteriano na vagina, altera o seu equilíbrio normal, levando ao aparecimento dos sintomas.

A vaginose afeta sobretudo mulheres em idade reprodutiva, portadoras de DIU e fumadoras.

 

Causas de Vaginose

  • Usar sabonetes com cheiros ou a excessiva higienização da vagina pode levar a uma alteração no equilíbrio natural da flora vaginal, levando à vaginose bacteriana.
  • Uso de produtos perfumados, de desodorizantes vaginais e de detergentes muito fortes aquando da lavagem da roupa interior.
  • Mulheres fumadoras, mulheres que tenham práticas sexuais com outras mulheres e mulheres que mudam frequentemente de parceiro sexual, são mais suscetíveis a desenvolver vaginose.

 

Sintomas de Vaginose

Os sintomas da vaginose são desconfortáveis e dolorosos, apesar de poderem não ter grande visibilidade externa uma vez que a infeção ocorre internamente no revestimento das paredes da vagina.

vaginose

Bactéria Gardnerella Vaginallis que provoca a vaginose.

 

O reconhecimento da vaginose é feito através da observação dos sinais e sintomas, que são:

– Corrimento branco–acinzentado;

– Odor fétido;

– Pequenas bolhas.

 

 

 

 

Diagnóstico e Tratamento de Vaginose

O diagnóstico da Vaginose é realizado a partir dos sintomas.

A vaginose bacteriana é facilmente tratável, não causando quaisquer problemas a longo prazo, caso tratada nas primeiras fases de infeção. Contudo, se deixada por tratar, podem surgir complicações, como o aumento da suscetibilidade a outras DST.

A vaginose bacteriana não tratada pode levar a complicações na gravidez, bem como a um risco aumentado de doença inflamatória pélvica depois de um aborto ou histerectomia.

O tratamento mais comum para a vaginose bacteriana é antibioterapia.

 

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.