AdvanceCare | Gripe

Gripe

A gripe é uma infeção do organismo, resultante da infeção pelo vírus influenza – (que infeta o trato respiratório – nariz, seios nasais, garganta, pulmões e ouvidos) que atinge não só humanos como também aves e suínos.

As várias estirpes de vírus são específicas para cada espécie, isto é, uma estirpe que habitualmente infecta as aves só raramente infeta humanos. Contudo, os vírus específicos de uma espécie podem sofrer uma mutação e tornar-se capazes de infetar outra espécie.

A gripe é uma doença contagiosa e o vírus transmite-se facilmente de pessoa para pessoa, através das gotículas emitidas através da tosse ou de espirros da pessoa infetada.

O vírus da Influenza pertence à família dos ortomixovírus e apresenta-se em 3 tipos: A, B e C. Os vírus influenza A, B e C distinguem-se uns dos outros com base nas diferenças antigénicas da nucleocápside (NP) e das proteínas da matriz (M).

gripe

Partículas do vírus H1N1 (Influenza) em volta da membrana celular

 
 

Tipo A – Promove doença moderada a severa em todas as faixas etárias e pode causar epidemias, afetando até animais.

Tipo B– Afeta somente humanos, principalmente crianças e causa epidemias leves.

Tipo C – Não é epidémico.

 
 
 

Os vírus A e B são os mais comuns. Cada um dos tipos apresenta populações diversas (cepas). Os vírus da Influenza podem sofrer de forma permanente, pequenas alterações na sua superfície, caracterizadas como mudanças antigénicas leves (é por isso que vacina contra o vírus da Influenza é anualmente alterada).

As epidemias de gripe podem ser causadas por vírus influenza dos tipos A ou B mas as pandemias apenas têm sido associadas a vírus do tipo A. O vírus influenza do tipo C provoca apenas doença ligeira (não estando associado a surtos, epidemias ou pandemias).

 

Causas da Gripe

A causa da gripe é viral.

O vírus da gripe penetra no organismo através do nariz ou garganta. Uma vez dentro do organismo, o vírus destrói a membrana mucosa do trato respiratório e infeta as células.

É frequente que, após uma infeção por Influenza, a proliferação bacteriana nas membranas mucosas danificadas pelo vírus, haja  infeções secundárias como pneumonia, sinusite, faringite, otite ou bronquite.

 

Sintomas da Gripe

Os sintomas e sinais da gripe aparecem geralmente de forma repentina. Os mais habituais são:

  • Febre (é o sintoma mais importante da gripe, tendo uma duração de cerca de três dias).
  • Rubor no rosto.
  • Arrepios.
  • Dor de cabeça.
  • Dores musculares.
  • Garganta inflamada.
  • Nariz entupido.
  • Tosse seca.
  • Cansaço.

Na gripe sem complicações, a doença aguda geralmente resolve-se ao fim de 5 dias e a maioria dos doentes recupera em 1-2 semanas. Porém, em algumas pessoas, os sintomas de fadiga podem persistir várias semanas.

 

Diagnóstico e Tratamento da Gripe

O diagnóstico da gripe é clínico – fazendo-se a partir dos sintomas evidenciados pelos doente- podendo também ser laboratorial.

Tendo em conta que não existem medicamentos realmente adequados ao combate do vírus da gripe, o tratamento visa aliviar os sinais e sintomas.

Uma vez que a gripe é provocada por um vírus, os antibióticos revelam-se ineficazes e desadequados. Contudo, caso haja uma infeção bacteriana secundária à gripe, é necessário recorrer aos antibióticos.

A existência de medicamentos inibidores da neuraminidase – que bloqueiam a multiplicação dos vírus responsáveis pela gripe – permitem impedir a rápida proliferação do vírus e controlar a doença.

A vacina da gripe é a melhor maneira de prevenir a infeção. Habitualmente, a gripe é tratada com medicamentos para o alívio dos sintomas, como analgésicos, antipiréticos, descongestionantes nasais.

A vacina da gripe previne aproximadamente 70-90% dos casos de gripe, mas não protege contra outras infeções respiratórias, como a constipação. É recomendada em algumas situações segundo indicação médica.

 

Artigo revisto e validado pelo especialista em Medicina Geral e Familiar José Ramos Osório.

 

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.