Seguro de saúde, Plano de Saúde, Cartão de Saúde, Cartão de Medicina Dentária, Cartão Dentário, Plano Saúde Oral

AdvanceCare | Endometriose: uma causa de infertilidade?

Endometriose: uma causa de infertilidade?

Dez por cento das mulheres em idade reprodutiva têm endometriose, revelam as estimativas internacionais. Apesar de comum, a sua génese exata ainda é desconhecida e os sintomas desvalorizados, alertam os especialistas. Exemplo disso é o facto de ser detetada, muitas vezes, apenas alguns anos após o seu aparecimento, através de exames à fertilidade feminina quando a mulher tem dificuldade em engravidar.

A endometriose caracteriza-se pelo crescimento de tecido semelhante ao endométrio (membrana mucosa que reveste o útero) fora da cavidade uterina, implantando-se em zonas como os ovários, trompas de Falópio ou noutros órgãos próximos como a bexiga ou o intestino. Estima-se que metade dos casos se deva a herança genética, embora existam também fatores imunológicos, hormonais e ambientais que podem ter influência. Outras teorias apontam ainda para uma ligação entre a menstruação retrógrada (quando parte do sangue menstrual recua para as trompas) e o aparecimento de endometriose. É uma doença que interfere na qualidade de vida da mulher e tende a ser confundida com os sintomas menstruais normais.

Riscos e sintomas

Os primeiros sinais da doença tendem a manifestar-se anos depois da primeira menstruação. As mulheres com história familiar da doença, que não têm filhos, que tenham tido algum problema de saúde que impeça a normal passagem do sangue menstrual ou que tenham infeções pélvicas ou problemas anatómicos nesta zona têm maior probabilidade de sofrer de endometriose. A evolução é gradual e pode provocar menstruações cada vez mais dolorosas, dores na relação sexual, bem como gerar hemorragias mais intensas, mal-estar, vómitos, problemas intestinais ou dores abdominais. Existem casos assintomáticos, embora menos frequentes. Ao longo do tempo esta doença pode criar lesões nos órgãos afetados, com a formação de quistos, por exemplo. Os sintomas desaparecem temporariamente na gravidez e definitivamente com a menopausa.

Prevenir e tratar

A endometriose é uma doença congénita e progressiva, pelo que a melhor forma de prevenir é travar a sua evolução. Para tal, a mulher deve estar atenta aos sinais (alterações ou dores que pode sentir na menstruação ou atividade sexual) e aconselhar-se com o médico ginecologista. Em consulta é possível pressupor que se trata desta doença mediante a descrição dos sintomas e exame pélvico. Contudo, o diagnóstico exato só se obtém por laparoscopia, exame que permite visualizar a cavidade uterina e zona pélvica e detetar as lesões ou focos de endometriose. O tratamento a seguir depende dos casos, sintomas registados, extensão e localização das lesões e grau da doença (ligeiro, moderado ou severo). Pode recorrer-se ao tratamento hormonal através da toma contínua da pílula contracetiva ou de fármacos que, ao suspenderem a menstruação, neutralizam o estímulo hormonal dos focos de endometriose. Outra opção terapêutica é a remoção dos focos por via laparoscópica ou através de cirurgia.

Gravidez: antes e depois

Calcula-se que cerca de 25 a 45 por cento dos casos de infertilidade têm endometriose associada, segundo a Associação Mulher Endo (associação de apoio à mulher com endometriose). Embora não possa ser feita uma ligação causa-efeito, a endometriose é reconhecida como um fator de risco importante para a infertilidade. Por um lado, os focos de endometriose podem criar aderências às trompas, quistos nos ovários e lesões várias que impedem no normal processo de fecundação. Por outro, o sangue libertado pode tornar o ambiente mais hostil para o espermatozoide e o óvulo. Não adiar a gravidez é uma das primeiras recomendações a seguir, já que a patologia tende a agravar-se com o tempo. Muitos casos de endometriose são detetados tardiamente, quando a mulher realiza exames para avaliar a causa para a ausência de gravidez. Dependendo do estado da doença e da dificuldade registada pode recorrer-se à remoção prévia dos focos por laparoscopia ou cirurgia para facilitar a fecundação do óvulo ou a técnicas de procriação medicamente assistida como a fertilização in vitro. A gravidez tem um efeito benéfico nesta doença, uma vez que a ausência prolongada de menstruação (nove meses da gestação e os meses da amamentação, em que muitas vezes a mulher não menstrua) cessa o estímulo hormonal e atrofia os focos de endometriose.

A endometriose é uma doença que atinge as mulheres em idade reprodutiva e pode afetar a fertilidade. Diagnosticar precocemente para controlar a evolução da doença e avaliar as soluções que a Medicina e a Procriação Medicamente Assistida têm para ultrapassar este problema permitem, em muitos casos, obter a desejada gravidez.

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.
A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde, nem a consulta de um médico e/ou especialista.