O cancro explicado às crianças

O cancro explicado às crianças

Saúde e Medicina
Cancro
Última atualização: 23/01/2023
  • Há temas difíceis, como a morte, doenças graves, divórcio, dificuldades financeiras, entre outros assuntos delicados, que nenhum adulto gostaria de ter de abordar com uma criança.
  • Ser aberto, sensível e honesto desde o início do processo facilitará a aceitação da criança e dar-lhe-á um maior sentimento de tranquilidade e segurança em momentos de medo e incerteza.
  • A abordagem usada deverá sempre adaptar-se à idade, desenvolvimento e personalidade da criança, tendo em conta a sua capacidade de entender o que lhe é transmitido.
benefícios da praia

Partilha do diagnóstico de cancro com as crianças

  • Por que é importante envolver a criança?

Esconder o diagnóstico de cancro de um familiar ou conhecido pode trazer stress e ansiedade tanto aos pais como à criança, que poderá não compreender o que se passa à sua volta, criando as suas próprias interpretações e podendo até conceber cenários mais graves do que a realidade.

A criança pode sentir-se magoada e desvalorizada pela família se descobrir que não foi envolvida neste processo doloroso que irá afetar toda a dinâmica do seu quotidiano. Por esse motivo, a honestidade será sempre a melhor abordagem para as crianças terem tempo de aceitar a nova realidade familiar, e ainda adaptar-se às mudanças que o cancro trará à família.

  • Como abordar o tema?

Para introduzir a temática “cancro”, é essencial a criança estar num espaço em que se sinta segura para expressar as suas emoções e, ainda, que sinta que há tempo para ouvir e ser ouvida, sem pressas ou interrupções. Será de evitar que a conversa ocorra à noite, antes de ir dormir, ou de dia antes de algum evento importante, evitando que a criança tenha de refletir sobre o assunto e a lidar com os seus medos sozinha.

Dada a sensibilidade do tema, é essencial planear o que se vai dizer, pesquisando informação sobre o cancro e informando-se junto da equipa médica ou profissionais. Se necessário, recorra a apoio psicológico para o processo.

Além de explicar a doença e o seu processo de tratamento, também devem ser exploradas as alterações que vão ocorrer no seio familiar e na rotina do dia a dia. Assegurando sempre à criança, de que existe um plano e que, apesar das dificuldades, procurar-se-ão as melhores soluções para todos os elementos da família.

Outro aspeto a ter em conta é o equilíbrio entre a realidade e o bom senso, tendo sempre por base a honestidade, mas procurando em todos os momentos reforçar a segurança da criança, garantindo que, independentemente do desfecho, esta nunca ficará sozinha.

É também importante criar abertura para que aconteçam outros diálogos, pois surgirão mais dúvidas e a criança necessitará de mais momentos para expor as suas questões.

Para esta temática, a Liga Portuguesa Contra o Cancro, com o apoio da MSD, criou um audiolivro infantil com o objetivo de explicar a doença às crianças de uma forma mais lúdica.

  • Até onde se deve aprofundar a informação?

A sinceridade é essencial, assim como a abertura para que a criança possa esclarecer todas as suas dúvidas. Porém, este diálogo deve começar por expor pequenas quantidades de informação, perceber efetivamente o que a criança quer saber, e ir respondendo consoante as perguntas que a criança for apresentando.

As preocupações e dúvidas dos mais pequenos não são as mesmas que as de um adulto, por isso deve-se perguntar diretamente à criança o que quer saber e clarificar os seus mitos e medos. À medida que o tempo passa e a criança assimila a informação, é possível ir introduzindo mais detalhes se necessário.

O que a criança compreende e quer saber depende da idade, maturidade e personalidade, mas também das suas próprias experiências, devendo, por isso, adaptar-se a abordagem à capacidade da criança de entender o que lhe é transmitido.

Os diferentes cenários

  • Quando outra criança é diagnosticada com cancro

Quando um colega de escola ou amigo fica doente podem surgir sentimentos de tristeza, dúvida, medo ou até raiva. Abordar alguns destes pontos poderá ajudar a esclarecer as dúvidas da criança e dar-lhe algum conforto nesta situação.

Comece por desmistificar o cancro infantil, explicando que as suas causas não estão relacionadas com o estilo de vida, e que não foi um comportamento errado da criança que a deixou doente, sensibilizando também para o facto de não haver nenhum risco de contágio.

A honestidade é fulcral para explicar todo o processo aos mais novos, e estes compreenderem as mudanças pelas quais o seu amigo irá passar, como o maior cansaço, menos disponibilidade para brincar ou mesmo a perda de cabelo em resultado de eventuais tratamentos.

O foco deverá estar na amizade, que não muda apesar do cancro, incentivando a que relação com o amigo se mantenha, sem mudanças de atitude ou preconceitos, mas com maior paciência e compaixão pelas mudanças que este terá de enfrentar.

  • Quando um familiar próximo é diagnosticado

Após a criança ser informada, é fundamental envolver adultos que lhe estejam próximos, sejam familiares, amigos da família, vizinhos, professores e técnicos da escola ou de outros espaços que a criança frequente.

É importante criar uma rede de apoio que vá além da unidade familiar de forma a reforçar os sentimentos de segurança da criança. Desta forma, outras pessoas envolvidas no dia a dia da criança poderão estar atentas ao seu estado de saúde mental – estando alerta para potenciais sinais de ansiedade ou mudanças de comportamento – ou até caso esta sinta necessidade de expressar sentimentos que não está confortável em expor no seio familiar.

  • Quando a própria criança recebe o diagnóstico

Mais uma vez, a transparência é essencial para que a criança se sinta segura e envolvida no seu processo de tratamento e recuperação.

Nesta etapa, a equipa médica e assistente social das entidades de saúde serão um apoio crucial para orientar como dar a informação e prestar apoio aos pais e à criança, esclarecendo dúvidas e encaminhado a família para os vários sistemas de apoio disponíveis.

A mensagem deve ser honesta, sincera, mas otimista para aliviar o sofrimento emocional do peso do diagnóstico.  

Orientações sobre como falar com a criança

Apesar de não existir uma receita única sobre como falar sobre cancro, apresentamos algumas sugestões que poderão ajudá-lo neste processo, deixando espaço para a criança colocar questões e assimilar a informação que lhe é dada:

  • Explique a realidade à criança e o que pode esperar durante a realização dos tratamentos;
  • Incentive a criança a falar abertamente do que sente e do que receia, consigo ou outro adulto de referência;
  • Esteja atento a alterações de humor e comportamento;
  • As explicações sobre a doença devem ser simples e honestas, recorrendo a recursos didáticos se necessário para melhor compreensão;
  • Assegure sempre à criança que apesar as mudanças, esta terá sempre alguém a cuidar dela;
  • Incentive a criança a manter a sua rotina diária, seja a prática de desporto ou outra atividade extracurricular;
  • Recorra a apoio psicológico, para si e para a criança.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados