Diabetes gestacional: fatores de risco, diagnóstico e o que fazer

Diabetes gestacional: fatores de risco, diagnóstico e o que fazer

A diabetes gestacional pode pôr em risco a saúde da mãe e do bebé e deve ser alvo de vigilância apertada. Saiba quais são os fatores de risco, a que sintomas deve estar atenta e o que fazer em caso de diabetes gestacional.

 Diabetes gestacional: fatores de risco, diagnóstico e o que fazer

Key Takeaways
  • A diabetes gestacional está a aumentar e deve ser alvo de vigilância apertada de forma a garantir a saúde materna e do bebé.
  • A maioria das mulheres não apresenta sintomas e, por isso, o programa de vigilância é essencial de forma a que a doença seja detetada precocemente.
  • Hábitos alimentares saudáveis e a prática regular de atividade física são, na maioria dos casos, suficientes para controlar a doença.

 

Sabia que a diabetes gestacional afeta quase um quinto das grávidas? A boa notícia é que um estilo de vida saudável e vigilância médica adequada podem prevenir a doença ou ajudar a lidar com ela. Fique a conhecer os fatores de risco, sintomas e o que fazer em caso de diabetes gestacional.


Diabetes gestacional

A diabetes gestacional caracteriza-se pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue que surge durante a gravidez. À semelhança de outros tipos de diabetes, a diabetes gestacional resulta de uma maior resistência à insulina, causada durante este período pela produção de hormonas que são essenciais ao desenvolvimento do feto. Na maioria das mulheres o pâncreas reage a esta situação produzindo insulina adicional, mas nas mulheres com diabetes gestacional isto não acontece. É particularmente frequente durante o segundo semestre da gravidez e prolonga-se até ao final da gestação, desaparecendo na maioria dos casos após o nascimento.

Porém, é essencial fazer o controlo e diagnóstico antecipado da doença! A diabetes gestacional pode afetar a saúde da mãe e do bebé, mesmo após o fim da gestação, colocando ambos em risco acrescido de desenvolver diabetes tipo 2. Saiba quais os fatores de risco, sintomas e o que deve fazer em caso de diabetes gestacional.

 
Os fatores de risco

Qualquer mulher pode desenvolver diabetes gestacional durante a gravidez, mas o risco é maior quando se verifica alguma destas situações:

  • Idade materna avançada
  • Excesso de peso ou obesidade.
  • Antecedentes familiares de diabetes.
  • Diabetes gestacional em gravidezes anteriores.
  • Gravidezes anteriores com bebés de peso superior a 4 kg.
  • Ter síndrome de ovário poliquístico ou outra condição associada a problemas com insulina.
  • Ter tensão arterial elevada, colesterol elevado, doenças cardíacas, ou outras complicações médicas.

 
Os sintomas mais frequentes

A maioria das mulheres com diabetes gestacional não tem sintomas ou estes são de tal forma inespecíficos que são frequentemente atribuídos à própria gravidez. Porém, estes são alguns dos sintomas a que deve estar atenta e que não deve desvaloriza:

  • Tem mais sede do que o habitual.
  • Sensação de boca seca.
  • Tem mais fome e come mais do que o habitual.
  • Micção frequente.
  • Cansaço.
 
Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico é feito através de análises específicas que avaliam os níveis de glicémia no sangue. De acordo com o programa nacional de vigilância, este controlo ocorre em dois momentos:

  • Na primeira consulta pré-natal, entre a 8ª e a 12ª semana, todas as grávidas são submetidas a uma avaliação da glicemia em jejum. Se os valores forem superiores a 92 mg/dl considera-se que a mulher tem diabetes gestacional.
  • Caso os valores sejam inferiores a 92 mg/dl, a grávida é reavaliada entre as 24 e 28 semanas de gestação através de um teste de tolerância à glucose oral com ingestão de 75 g de glicose. A prova deve ser realizada de manhã e são necessárias colheitas de sangue em jejum, 1 hora e 2 horas após a ingestão desta solução. Durante a prova a grávida deve manter-se em repouso.
 
O que fazer se tiver diabetes gestacional

A diabetes gestacional tem aumentado nos últimos anos, mas a boa notícia é que a maioria das mulheres consegue controlar a doença com uma dieta equilibrada, prática de atividade física e uma vigilância rigorosa, sem necessidade de recorrer a terapêutica farmacológica.

  • A prioridade deve recair sobre o controlo dos níveis de açúcar no sangue. As grávidas com diabetes gestacional devem fazer autotestes regulares, em jejum e uma hora após o início das principais refeições.
  • O plano alimentar é elaborado em função das necessidades individuais de cada gestante, mas deve ser variado e equilibrado, incluindo alimentos dos principais grupos alimentares, dando preferência a vegetais, cereais integrais, leguminosas, frutas, proteínas e gorduras saudáveis.
  • A terapêutica farmacológica pode ser necessária caso os objetivos glicémicos não sejam atingidos num período de 1 a 2 semanas após a adoção de hábitos alimentares mais cuidados. Esta pode passar pela toma de medicação oral ou insulina.

Este artigo foi útil?

Conselho cientifico

Conteúdo revisto

pelo Conselho Científico da AdvanceCare.

A presente informação não vincula a AdvanceCare a nenhum caso concreto e não dispensa a leitura dos contratos de seguros/planos de saúde nem a consulta de um médico e/ou especialista.

Downloads

Consulte os nossos guias para hábitos saudáveis:

Sympton Checker

Utilize a nossa ferramenta de diagnóstico de sintomas.

Programas AdvanceCare relacionados

Artigos relacionados